quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

REDEIROS DE SÃO BENTO



Comprar redes dos nordestinos, além de ser bem mais barato, tem um sabor especial. Com elas, chegam até nós histórias como a de Jorge, paraibano de São Bento, " a capital mundial das redes", declara, com orgulho.
Cidade de 33 mil habitantes localizada a 375 quilômetros de João Pessoa, capital da Paraíba, São Bento é centro de um polo fabril onde são fabricadas 12 milhões de redes por ano. 
Elas são vendidas pelo país afora em lojas, feiras e também pelos vendedores que viajam de cidade em cidade oferecendo seus produtos, colocados em carrinhos empurrados no muque, de sol a sol. 
Jorge está no Imbé e daqui segue de volta para o seu nordeste. Mas antes passará pelo oeste de Santa Catarina, do Paraná, Mato Grosso do Sul, e sempre para o norte até Rondônia. Sua viagem dura de dez a onze. Só então poderá rever os amigos e familiares e tomar um banho no rio Piranhas (foto baixada da internet)), que corta cidade.
Uma vida dura, mas ele não se queixa. Tem trabalho e ganha o seu sustento.





VIDA DESGOSTOSA

Pão sem glúten,
leite sem lactose,
café sem cafeína,
cerveja sem álcool,
vida sem graça.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

O GABEIRA





Quando, lá nos anos 90, Augusto Nunes, diretor de redação do jornal Zero Hora, me chamou para comunicar que havia contratado Fernando Gabeira para fazer crônicas e reportagens e que eu seria responsável pelos contatos com ele, logo pensei em tantos colegas de trato difícil, com soberba bem maior que seu talento. "Que pepino", pensei.
O temor de desfez na nossa primeira conversa. Ele teria que vir a Porto Alegre para ser apresentado aos novos colegas, e me pediu para se hospedar numapousada modesta, na zona sul da cidade, à beira do Guaíba. Disse a ele que não havia uma pousada assim por aqui. Pensei um pouco e acabei optando pelo hotel Everest, num quarto de andar alto com vista para o rio.
No período em que trabalhamos juntos ele se revelou uma pessoa que, apesar da inteligência brilhante e um senso crítico agudo, demonstrado em seus textos e nas análises do jornal que fazia nas reuniões com os editores, nunca perdia o bom humor e o jeito mineiramente simples de tratar a todos.
Não exigia nada que não fosse ajuda de custo para pagar as despesas. Fazia as próprias fotos e, nas coberturas de eventos no Rio, usava sempre a bicicleta.
Suas pautas eram sempre criativas: descobriu o Jalapão, e fez uma entusiasmada reportagem sobre aquele pedaço de amazônia localizado no Piauí.
Numa tarde de outono ele me contou que a mudança de estação provocou nele uma súbita sensação de melancolia. Pensou um pouco, e descobriu a causa: em seus longos anos de exílio na Suécia, o fim do verão era um período de depressão generalizada. "Mas eu estou no Rio. Que maravilha", e deu uma gargalhada.
Gabeira.
Um cara para se admirar e respeitar.

domingo, 3 de fevereiro de 2019

UM ANIVERSÁRIO FELIZ





Entardecer na Pedra Redonda (foto de Gilmara Gil)



Não costumo fazer festas nos meus aniversários. A única exceção foi aos 21 anos. Minha família morava no bairro Pedra Redonda, numa casa do tio Ivo Weiler com um terreno que ia da avenida Coronel Marcos até a beira da praia, no rio Guaíba.
Comprei muito salsichão, pãezinhos e garrafões de vinho e convidei os amigos e colegas a aparecerem, no fim da tarde. A churrasqueira ficava perto da praia, e ficamos ali, assando e comendo salsichões, com pão e vinho, conversando, e cantando ao som do meu violão. A noite avançava e a festa ficava cada vez mais animada. 
Sei de alguns namoros que começaram ali. O lugar convidava para beijos e abraços. 
Lá pelas tantas, alguém notou a falta do Arturzinho - Artur Borba, já falecido. Começamos a procurar, a gritar."Artur, Artuuuur". Num momento de silêncio, ouvimos a voz dele, vinda do rio, no escuro, cantando "navegar é preciso, viver não é preciso", um sucesso de Caetano Velloso da época. 
Artur havia pegado a minha canoa de alumínio e remado rio adentro. A chegada foi patética. Com todos nós reunidos na beira da praia, ele remou até a canoa encostar na beira. Bêbado, ele se desequilibrou a caiu de cara na areia.
Gargalhadas gerais. 
E a festa continuou até amanhecer.