segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

PORTO ALEGRE NÃO MERECE ESTA RODOVIÁRIA




Projetada e construída pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), a Estação Rodoviária de Porto Alegre, inaugurada em 28 de junho de 1970, é prima-irmã do Muro da Mauá e do complexo viário da Conceição,  monstrengos de concreto  que mudaram - para pior - o Centro Histórico de Porto Alegre. 
Sua concepção, fruto da mentalidade da época, demonstra a preocupação com o gigantismo (era o tempo do Brasil Grande, do Grande Rio Grande), mas pouca preocupação com o conforto dos usuários: apesar de estar localizada numa cidade sujeita a longos períodos de frio, vento e chuva, ela é toda aberta, como se estivesse num país de clima tropical.  
Os engenheiros do Daer também não se preocuparam com espaços para embarque e desembarque dos passageiros e estacionamento gratuito para quem chega de carro.  
A prefeitura também não ajuda em nada: a sinalização das ruas e avenidas de acesso praticamente não existe, e desde que começou a obra de duplicação da avenida Voluntários da Pátria,  semi-paralisada há meses, é preciso dar voltas para achar o caminho da rodoviária.  
O entorno é feio, e  sair a pé é perigoso - na passarela de pedestres usada para atravessar a rua da Conceição, ladrões se misturam aos vendedores de bugigangas para roubar, especialmente, os recém-chegados do interior. 
À noite, a região é território de assaltantes, traficantes de drogas e viciados. Apesar de estar a 500 metros da Secretaria da Segurança, não há policiamento. 
Um cartão postal às avessas para quem chega pela primeira vez à "capital dos gaúchos".






Sua forma circular, além causar confusão nos passageiros, também dificulta a circulação dos ônibus, especialmente em dias de horários de maior movimento, pois os que estão manobrando para sair dos boxes impedem a passagem dos que estão nas pistas.





Os ônibus circulam pela parte interna da estação, com boxes de embarque e desembarque dos dois lados



Na pressa de embarcar, estas pessoas preferem se arriscar atravessando a pista dos ônibus a dar a volta até o box. Não há  divisórias, sinalização nem controle.



A espera do embarque tem pouco espaço e bancos de madeira insuficientes. A maioria espera em pé, mesmo. Em dias de chuva e vento, o desconforto é ainda maior.





Nestes 45 anos de concessão, sempre renovada sem licitação, a empresa que administra a rodoviária fez algumas melhorias, especialmente no setor de venda de passagens, mas as velhas lâmpadas fluorescentes e as caixinhas que indicam o número do box, de difícil visualização, continuam lá, para comprovar como ela é antiquada. 
Quem precisa fazer uma refeição só encontra lancherias com acomodações precárias e cardápios à base de salgadinhos, pastéis e a la minutas. A única churrascaria que funcionava na estação foi fechada, depois de varias interdições por falta de higiene. 
Os banheiros, mesmo os pagos, dão nojo. 
Porto Alegre merece uma rodoviária melhor. 
Muito melhor. 


3 comentários:

Mauro Mendes Urban disse...

Estive em Curitiba neste final de ano e fui na rodoviária da capital Paranaense. Um prédio simples e prático. Funcional. Com lugar para espera climatizado. Limpa. Não é fedorenta. Banheiros limpos. Estacionamento fácil que não custa os olhos da cara.

Clovis Heberle disse...

É isso aí, Mauro. E a de Florianópolis, atualmente em reforma, tem tudo isso também. Lá no Nordeste, as que eu conheci - Salvador, João Pessoa, Aracaju - também são limpas, funcionais e confortáveis.

Jose Manoel Vega Garcia disse...

Caro Clovis gostaria de agregar outra dificuldade a rodoviaria não posso dizer o motivo mas possuo celular de 3 operadoras domingo dia 03/01/16 a noite aguardava familiares que voltavam de Rio Grande e não consegui sinal de internet para usar o Watsap ou fecebook para contactar os familiares em viagem tive de me dirigir ao outro lado da avenida creio que e largo vespaciano em frente ao hotel continental e usar a internet movel dos hospedes do hotel.Muito me admira a campanha da prefeitura por internet livre e na estação rodoviaria administrada pela veppo e controlada pela prefeitura não possuir internet livre seriam interesses empresariais?